Última hora
recent

Central nuclear de Almaraz - Governo português "cedeu aos interesses de Espanha"

Fotografia de manifestação em Almaraz
O acordo conseguido em Bruxelas acerca da central nuclear espanhola de Almaraz, em Cáceres, a cerca de 100 quilómetros da fronteira, traduziu uma cedência do Governo português aos interesses de Espanha, defende o Movimento Ibérico Antinuclear (MIA).

“O Governo português não foi capaz de manter-se firme na sua denúncia das irregularidades cometidas pelo Governo espanhol”, reagiu o MIA, num comunicado em que considera que as pressões de Madrid e de Bruxelas, aliadas à promessa de acelerar os projectos de interligação das redes de gás e de electricidade entre os dois países, foram “demasiado fortes” para Portugal.

Lembrando que Madrid violou os protocolos internacionais ao autorizar, em Dezembro de 2016, a construção do armazém temporário individualizado (ATI) em Almaraz sem consultar nem informar o Governo português, quando se sabe que uma hipotética fuga radioactiva terá impacto em Portugal, o MIA lamenta que o Governo liderado por António Costa se tenha mostrado “pouco firme” na defesa dos interesses do país.

“É evidente que o ATI de Almaraz está concebido para prolongar o funcionamento da central para além de 2020”, observa o MIA, para acrescentar que, ao aceitar a construção do aterro, o Governo português está no fundo a aceitar o prolongamento da central por mais 20 anos, ignorando a vontade dos portugueses e do Parlamento português que assumiu uma posição contrária à manutenção daquela central.

”O prolongamento dos reactores até àquela idade pressupõe um risco inaceitável, dado que as condições de segurança se degradam com o envelhecimento, aumentando o perigo”, acrescentam os activistas antinucleares, para insistirem que, com o acordo anunciado esta terça-feira, Portugal cedeu em toda a linha aos interesses espanhóis, cujo Governo defende “descaradamente” os interesses da indústria nuclear que está interessada em prolongar a vida das respectivas centrais até aos 60 anos. “As centrais nucleares são um negócio imenso para os seus proprietários”, concluem, para lembrar que os consumidores pagam por quilowatt de energia nuclear “oito vezes mais do que custou produzi-lo”.
Fonte: Público.

Blogs Portugal

Com tecnologia do Blogger.